A nova tendência dos cibercriminosos: Cryptojacking

Geneses IT

Somos feitos de gente + serviços + Tecnologia.

Compartilhar

O mundo do cibercrime é como um organismo vivo: molda-se e transforma-se para melhor satisfazer suas necessidades. O próprio ransomware está saturado: o mercado negro se regulou e está mais competitivo, fazendo com que hackers e crackers busquem uma alternativa mais “rentável”: o Cryptojacking.

Podemos definir cryptojacking como um malware de mineração de criptomoedas e é a nova ameaça emergente no mundo do cibercrime. Segundo a 23ª edição do Internet Security Threat Report (ISTR), este tipo de ataque aumentou 8.500% em 2017.

Primeiro, vou explicar como funciona a mineração de criptomoedas, para depois explicar como funciona o cryptojacking.

A mineração

As transações efetuadas pelas criptomoedas não tem um poder central. Todos os processos são efetuados diretamente, sem um intermediário (um banco, por exemplo). Como o intermediário não existe, quem vai ler, analisar e executar essas transações?

Essa pergunta é respondida da seguinte forma: qualquer um. Através de softwares específicos de cada criptomoeda, você pode utilizar sua própria máquina para realizar tais transações.

Minerar é um processo estatístico: quanto mais potente o seu computador, mais chances você tem de resolver o bloco de transações. Mas, por que eu faria isso? Pois você recebe recompensas por cada bloco solucionado.

Ok, entendi, mas como o cryptojacking funciona?

Ele “escraviza” sua máquina para minerar as criptomoedas para hacker. Sua máquina ficará muito mais devagar (o processamento do seu computador será direcionado para a mineração), gastará muito mais energia e, em alguns casos, pode até superaquecer!

O maior problema que encontramos aqui é: o cryptojacking não precisa que você faça download ou execute nada. Apenas de acessar a página, sua máquina já é escravizada.

Grave as minhas palavras: Em 2018, o cryptojacking será o modelo de ataque mais popular entre os cibercriminosos.

Fonte:
http://computerworld.com.br/cibercriminosos-deixam-ransomware-de-lado-e-focam-em-cryptojacking

Comentar via Facebook

Comentário(s)